Algumas pessoas têm dificuldades em atingir seus objetivos. Outras, se quer,  os têm clarificados. Na vida em geral, se não sabemos onde estamos (estado atual) ou onde queremos chegar (estado desejado), não conseguiremos traçar nosso planejamento.

Existem pessoas que sonham muito, até muito alto, mas têm extrema dificuldade de materializar seus sonhos. Descobri que a diferença entre o sonho e meta, reside na data. Quando colocamos data em nossos sonhos, eles se tornam instantaneamente metas. Se não colocamos data em nossos sonhos, eles jamais passarão de sonhos. Não raro, a frustração de não ter conseguido, nos rondará. E, nesse processo, não nos damos conta que não fizemos nada, absolutamente nada, além de sonhar. Esquecemos que aqui é o reino da materialidade e que no reino da materialidade a palavra chave é ação. É a ação que coloca a roda da vida para girar. Sem ação, nada acontece.

Depois de anos de experiência em processos de coaching, chego a alguns indícios dos motivos pelos quais as pessoas aparentemente “fracassam”. Coloquei a palavra fracassam entre aspas propositalmente, pois como o próprio Henry Ford afirmava: ” As pessoas não fracassam, elas simplesmente desistem”.

Líderes natos, não consideram fracassos. Tudo para eles são resultados. Thomas Edison, disse que precisou de quase 800 “resultados” para chegar na descoberta da lâmpada.

Pessoas normais consideram fracassos mas, considerar fracassos nos desviam do foco.

Acomodação, insegurança, preguiça, medo, falta de paciência, desvio de atenção, indefinição de objetivos, baixo conhecimento sobre o assunto, não persistência, procrastinação, são os motivos mais comuns de pessoas não alcançarem seus objetivos.

Toda mudança é precedida de turbulência. A principal turbulência é a interna, quando nossas emoções são colocadas a prova diante da expectativa da mudança. O desequilíbrio emocional também contribui para um resultado desfavorável como consequência.

O ditado “time que está ganhando não se mexe”, hoje em dia, pode representar um grande risco de defasagem da atualidade. O mundo velozmente mutante, ao qual pertencemos, exige de nós e de nossos negócios, mudanças constantes e nem sempre previsíveis.

Mudança exige abrir mão do velho que insistimos em manter mas que não nos é mais útil, em troca do novo, por vezes, desconhecido de nós.